Nova lei restringe ainda mais o cristianismo

A nova lei de difamação propõe multas pesadas e até mesmo prisão por difamação; o governo continua defendendo o islã e sufocando a liberdade religiosa no país

29_Maldives_2013_0430100332

O Parlamento das Maldivas adotou recentemente a nova lei de difamação, o que despertou a atenção e gerou críticas por parte de vários outros países. Tendo em conta os estreitos laços entre Maldivas e Arábia Saudita, é possível que a nova lei venha prejudicar ainda mais a liberdade religiosa e deva ser usada para atingir os cristãos de forma mais certeira, ou seja, com o amparo da lei que propõe multas pesadas e até mesmo prisão por difamação.

Para protestar a decisão do governo, cerca de 50 manifestantes se reuniram próximo ao escritório do presidente das Maldivas, Abdulla Yameen, ocasião em que vários jornalistas acusavam o governo de sufocar a liberdade de imprensa. Policiais maldívios interromperam o protesto usando spray de pimenta para dispersar os ativistas. No total, 19 pessoas foram presas durante a operação.

O governo, que sempre protegeu o islã, já havia instituído um conjunto de leis para proibir a conversão de cidadãos maldívios para outra religião, pressionando-os com a ameaça de que poderiam perder até mesmo sua cidadania. É por isso que, oficialmente, os únicos que são reconhecidos como “praticantes do cristianismo” são os expatriados. A lei de difamação vem apenas para reforçar que ser cristão nas Maldivas é proibido, inconstitucional e também considerado um crime. Ore por essa nação.

Leia também
Maldivos se reúnem em igrejas subterrâneas
Cristãos maldívios enfrentam sérias dificuldades

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

*
*
 
*
*Campos obrigatórios