Estudante americano e cristão é condenado por 15 anos

O motivo da condenação foi um suposto roubo de um cartaz, de um hotel onde ele estava hospedado, durante uma excursão

29_Korea_0380009288.jpg

De acordo com informações do NK News, um estudante norte-americano de 21 anos foi condenado a 15 anos de trabalhos forçados na Coreia do Norte, por supostamente tentar roubar um cartaz de propaganda da equipe do hotel onde ele estava hospedado. Para o país, qualquer tipo de roubo é considerado um crime contra o estado. Otto Warmbier, da Universidade de Virginia, participava de uma excursão em Pyongyang.

A Coreia do Norte vive um momento de grande tensão política e o incidente ocorreu no momento em que o país realizava seu quarto teste nuclear, ocasião em que os EUA iniciaram uma campanha para obter das Nações Unidas sanções mais duras contra Pyongyang, conforme uma notícia do G1. "Apesar de esse tipo de sentença praticamente fazer parte da rotina deles, há alguns rumores de que os estudantes eram cristãos, além de americanos, daí o motivo da intolerância por um motivo tão pequeno", comenta um dos analistas de perseguição.

A pressão sobre os cristãos na Coreia do Norte é a pior do mundo. O país já lidera a Classificação da Perseguição Religiosa pelo 14º ano consecutivo, sendo o primeiro a impor a perseguição extrema, tirando toda a liberdade dos seguidores do cristianismo, levando-os à prisão, tortura e morte simplesmente por optarem a seguir a Jesus e não aceitarem se prostrar diante dos líderes políticos do país. O cristianismo para eles é algo ocidental e desprezível, por isso, os cristãos se reúnem secretamente em igrejas subterrâneas, dentro das próprias prisões e, de acordo com os relatórios da Portas Abertas, o número de novos convertidos continua crescendo. São cristãos sofridos, mas que continuam de pé com uma fé inabalável. Lembre-se deles em suas orações.

Leia também
Doutrinação ideológica sufoca o cristianismo
Um abrigo muito especial
Cristãos são excluídos e escondidos

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

*
*
 
*
*Campos obrigatórios