40 famílias cristãs paquistanesas enfrentam fome

Há quatro anos, acontecia uma das piores manifestações de violência contra a comunidade cristã do Paquistão dos últimos tempos. Em setembro de 2009, sete cristãos foram queimados até a morte em Gojra e mais de 100 casas foram pilhadas, saqueadas e incendiadas. O tempo passou e a situação continua desoladora

Pakistan_c.jpg
Em julho, a agência de notícias World Watch Monitor relatou que um cristão em Gojra foi condenado por cometer blasfêmia e um casal foi preso por enviar mensagens de texto consideradas ofensivas aos princípios do Islã. Outro cristão foi morto a tiros em uma cidade vizinha no fim daquele mês.

Nesse contexto, uma ocorrência relativamente comum − a 'fuga' de um homem cristão de 20 anos de idade e uma mulher muçulmana de 17 anos −, foi capaz de provocar uma acusação de estupro e a perda dos meios de subsistência de 40 famílias cristãs. Os vizinhos e proprietários muçulmanos agora se recusam a contratar cristãos para o trabalho diário em seus campos; um ativista local disse que as famílias correm risco de inanição.

Umair Masih, 20, fugiu com sua namorada Nadia Shabir, 17, na noite de 27 de julho. Ambos moravam em Chak (aldeia) 375 JB, distrito de Toba Tek Singh, a aproximadamente 15 Km de Gojra. A aldeia é formada por cerca de 40 famílias cristãs e 500 mulçumanas.

Em países como o Paquistão, onde os casamentos arranjados ainda são comuns nas comunidades rurais, muitos jovens casais deixam seus lares por um capricho, ou na tentativa de poder ter a afeição que sentem um pelo outro levada a sério por suas famílias, ou ainda num ato de desespero.

Em muitos desses casos de fuga, as comunidades locais e especialmente os membros mais próximos da família conseguem acompanhar e encontrar o casal e trazê-los de volta para suas casas. Às vezes, eles são punidos. É sempre um escândalo dentro da aldeia, mas o desenrolar dos acontecimentos geralmente é mantido entre os diretamente envolvidos.

Dessa vez, no entanto, dezenas de moradores saíram pela estrada e começaram a atirar para o ar assim que descobriram que o casal estava desaparecido. Eles começaram a procurar pelos campos e depois foram até as casas dos cristãos. O grupo invadiu as casas e disse aos cristãos que levariam todas as suas mulheres jovens para humilhá-las. A multidão também ameaçou incendiar suas casas e expulsá-los da aldeia.

A multidão decidiu então pegar as três irmãs de Masih, Saba, Chanda e Mariam, e sua mãe Shehnaz Bibi, e humilhá-las publicamente. Finalmente, resolvem levar Saba e Chanda junto com eles. "Eles bateram na porta e invadiram a casa. Começaram a bater em meu pai e nos xingaram", contou Saba, 18, à World Watch Monitor. Em seguida, arrastaram Saba e Chanda para fora de casa e levaram-nas para uma fazenda.

"Havia dezenas de homens lá. Eles nos insultaram, mas, quando começaram a nos tocar de maneira indecente, alguns dos homens mais idosos contestaram, de modo que o grupo se conteve e não nos agrediu sexualmente", acrescentou Chanda, 16, ao nosso repórter. "Ficamos amarradas até o dia seguinte, sem comida e água", narrou.

Após a fuga do casal, as relações entre cristãos e a maioria mulçumana ficaram tensas. No dia seguinte, um conselho arbitrário da aldeia (panchayyat) decidiu que Saba e Chanda seriam devolvidas à família e, em troca, Nadia voltaria para o seu pai. O conselho também decidiu que Umair Masih não viveria mais na aldeia. O pai de Masih, Tufail Masih, concordou com todas essas condições.

Contrariando o que haviam acordado com o conselho, o grupo de muçulmanos entrou com uma petição no tribunal para o registro de uma ocorrência, alegando que Umair Masih e quatro membros de sua família teriam raptado e estuprado Nadia. Além desta ação judicial, o grupo ameaçou "derramar o sangue dos cristãos" da aldeia para vingar a "insulto" infligido pela fuga de Nadia.

Levando em conta o histórico de conflitos populares na sua área, os cristãos entraram com uma petição escrita diante do juiz das Sessões Complementares Toba Tek Singh e solicitaram uma ordem junto à Delegacia de Polícia Saddar para registrar uma ocorrência contra o grupo muçulmano por ameaça de morte. O juiz emitiu uma ordem no mesmo dia, chamando a polícia para registrar uma ocorrência contra o grupo.

Desde então, a polícia tem tentado chegar a um acordo entre os cristãos e o grupo muçulmano, segundo afirmou Munir Masih Gill, ativista social da aldeia. Ele relatou que, mesmo com a questão jurídica resolvida, o boicote social ainda continua. Quase todos os cristãos são pobres e analfabetos, e são contratados pelos proprietários muçulmanos em seus campos por um salário diário. Eles também têm enfrentado uma escassez de alimentos bastante séria.

FonteWorld Watch Monitor
TraduçãoDaniela Cunha
 

Comentários

  • ariadne
    11 set 2013 de 11:44
     

    meu Deus tem misericórdia desses cristãos DEUS NÃO VAI DESAMPARAR ELES MESMO DIANTE DESSAS CIRCUNSTÂNCIAS TERRIVEIS MAIOR É O QUE ESTAO COM ELES DO QUE A FURIA DE SATANÁS CONTRA A VIDA DELES, JESUS TÁ PERTO DE VOLTAR A PALAVRA DELE JÁ ESTÁ CHEGANDO NOS MAIS LONGÍQUOS DA TERRA. JESUS É NOSSO ADVOGADO FIEL JULGA A CAUSA DOS NOSSOS IRMAOS PERSEGUIDOS.

  • Tiago Guimarães Alves
    09 set 2013 de 11:44
     

    Oremos por nossos irmãos.

Deixe seu comentário

*
*
 
*
*Campos obrigatórios