Número de sequestros, conversões e casamentos forçados de mulheres cristãs, cresce no Egito

Um novo relatório revelou que o número de meninas e mulheres cristãs sequestradas, convertidas ao Islã à força e casadas contra a sua vontade, aumentou no Egito, desde o início da Primavera Árabe.

O relatório, Diga à Minha Mãe Que Sinto Saudades Dela, lançado em 18 de julho, foi de coautoria de Nadia Ghaly, uma ativista cristã egípcia de direitos humanos, e Michele Clark, professora da George Washington University.

Constatou-se que a comunidade cristã "tornou-se mais vulnerável à perseguição (por conta do aumento da militância Islâmica após a derrubada do presidente Hosni Mubarak), com as mulheres, em particular, sendo as mais prejudicadas”. O número de desaparecimentos e sequestros aumentou e poucas são as meninas que retornam às suas famílias; adolescentes e jovens mães são os principais alvos.

O título do relatório é uma citação direta, feita por uma vítima, em conversa telefônica com o pai dela, gravada depois de sua abdução. "D" desapareceu em 20 de maio de 2011. A mãe relatou o desaparecimento da jovem de 19 anos, e naquela mesma noite a polícia chegou à casa da família dizendo que D havia se casado com um homem muçulmano.

Um mês depois, D conseguiu telefonar para seu pai. Chorando em voz baixa, ela lhe pede para contar à mãe que sente saudades dela, pouco depois a ligação é interrompida por alguém que entra na sala. A linha cai, e quando o pai a chama, um homem responde: Ela está inconsciente agora, mas deixe-me dizer uma coisa, essa menina é mais importante para mim do que qualquer outra coisa. Juro por Deus, se algo acontecer com ela, eu vou matar todos vocês e eu vou queimar a igreja. Você sabe que eu posso fazer isso.

D, desde então, ligou para seu pai oito vezes, dizendo que ela é abusada e maltratada, e pedindo ajuda para fugir. Em um momento de desespero, ele sugeriu  a ela que se cortasse para que fosse levada ao hospital, onde sua família seria capaz de vê-la. Mas um médico foi levado para atendê-la, na casa onde ela é mantida presa, em um quarto.

O caso de D é um dos 14, que o advogado de direitos humanos, Stefanos Milad, apresentou ao Ministério Egípcio do Interior, em setembro de 2011, solicitando investigações, mas até o momento não recebeu nenhum retorno por parte das autoridades.

Quatro advogados relataram mais de 550 pedidos de restauração da identidade cristã prejudicada por sequestros, seguidos de casamentos e conversões forçadas ao longo de um período de cinco anos, com um considerável aumento desde 25 de janeiro de 2011, quando os protestos da Primavera Árabe começaram.

Diga à Minha Mãe Que Eu Sinto Saudades Dela segue outro relatório escrito pelos mesmos autores em novembro de 2009, denunciando os desaparecimentos, conversões e casamentos forçados de cristãs coptas no Egito. Os casos descritos nos relatórios são muitas vezes ignorados tanto pelas autoridades egípcias como pela comunidade internacional; os detratores afirmam que os desaparecimentos são "nada mais do que atos petulantes de mulheres jovens, que procuram deixar ambientes domésticos opressivos e que não há atividade criminosa nisso".

O objetivo do novo relatório é desafiar a nação de que o depoimento das vítimas é verídico, e solicitar investigações e fortes medidas preventivas.

Leia o livro CRISTÃOS SECRETOS e saiba mais, sobre o cotidiano de cristãos que vivem em países de maioria muçulmana.

FonteBarnabas Fund
TraduçãoMarcelo Peixoto
 

Comentários

  • Guiomar Soares Ferreira
    02 ago 2012 de 17:21
     

    ninguém diz nada niguém faz nada só porque a ordem é só do país, mais é preciso que isso acabe de uma vez por todas.

  • dayha Oliveira
    02 ago 2012 de 14:32
     

    Aí eu pergunto cade ONU? ou quaisquer outra organização internacional que possa ajudar? Meu, só sobra p mulherada; Só resta orar p/ que um dia a libertação possa chegar; Isso é uma tremenda judiação. E muito satanico. Coitada das meninas.!!

Deixe seu comentário

*
*
 
*
*Campos obrigatórios