Somália

No segundo país mais opressor dos cristãos, o luto e a dor da perda estão presentes em muitas casas. Há um forte movimento para limpar o cristianismo do país, encabeçado, principalmente, pelo grupo militante islâmico Al-Shabaab, que ataca os cristãos e as comunidades locais. Pais e filhos são mortos unicamente por se identificarem como seguidores de Jesus. Para os somalis, quem abandona a fé islâmica para converter-se ao cristianismo é infiel e merece morrer.

Líderes islâmicos e funcionários do governo reforçam publicamente que não há espaço para cristãos na Somália. Por um longo período, a falta de leis no país abriu espaço para o crescimento do extremismo religioso. Somente em 2012 o povo elegeu seu primeiro presidente, após mais de 20 anos sem um governo central.

A pressão sobre a minúscula comunidade cristã tem aumentado significativamente. Os poucos cristãos – uma soma de aproximadamente mil praticantes em uma população de mais de nove milhões de pessoas – são fortemente perseguidos e devem praticar sua fé em segredo. Alguns foram, inclusive, forçados a fugir para viver em outros países.

Apesar da forte perseguição, muitos cristãos, mesmo que secretamente, têm guardado sua fé em Cristo e não desistem de segui-lo.

"Sabemos que qualquer um que seja suspeito de ser cristão será torturado e morto, então oramos secretamente. Temos orado ao lado de muçulmanos, de noite ou de dia. Apesar de todo o cuidado, muitos de nossos amigos foram mortos. Vivemos com medo!", diz um cristão somali.

Última atualização em 21/1/2015



Saiba mais