Cristãos uigures são acusados de revelar segredos de Estado

No último dia 12 de janeiro, oficiais de segurança do estado chegaram à casa de Alimjan Yimit, um muçulmano convertido, líder de uma igreja doméstica cristã da etnia uigur na província de Xinjiang no noroeste da China. Eles detiveram Alimjan (os uigures são conhecidos na maioria dos casos pelo primeiro nome), dizendo para membros da família que a prisão era um “assunto de segurança nacional”, relatou a Associação de Ajuda à China (CAA, sigla em inglês).

Eles também levaram sua esposa Gulnur para interrogatório naquela noite, mas ela foi liberada depois. Quando eles levaram Alimjan, as autoridades apresentaram uma breve notificação da detenção para Gulnur, dizendo que seu marido estava preso por causa de suas atividades “criminosas”.

Os detalhes das acusações contra Alimjan ainda são desconhecidos, mas em setembro passado 13 oficiais ordenaram que ele fechasse negócio localizado em Kashgar, a Xinjiang Jiaerhao Foodstuff Company Ltda., e o acusaram de usá-lo como cobertura para “pregar o cristianismo para o povo uigur”.

A prisão ocorreu depois da prisão de outro cristão uigur, Osman Imin, em 19 de novembro de 2007. As autoridades colocaram Osman numa prisão criminal e o acusaram de ajudar estrangeiros em atividades religiosas ilegais e de revelar segredos de Estado, relatou a CAA.

Anteriormente a polícia havia detido Osman em 2004 e o torturado duramente durante o interrogatório, informaram fontes locais ao Compass.

As mesmas fontes disseram que autoridades prenderam nas semanas que passaram pelo menos um outro cristão uigur em Urumqi, a capital da província, e outro na cidade de Kashgar.

Evidências de tortura

Os detalhes da acusação contra Osman também são desconhecidos, já que a definição oficial de “vazamento de segredos de Estado” é por si só um segredo de Estado. Fontes locais, no entanto, declararam que as acusações com certeza estavam relacionadas com o trabalho de Osman junto à igreja.

As autoridades o prenderam primeiro em outubro de 2004, o mantendo no centro de detenção em Hotan, na região sul de Xinjiang devido a uma “violação da lei” não especificada, relatou a CAA.

Durante sua primeira detenção, “Osman foi acorrentado a uma cama de metal no inverno, sem roupas adequadas, e espancado repetidamente durante os interrogatórios, declarou ao Compass uma fonte na condição de permanecer no anonimato.

Vôo do avião

A polícia se refere a esta técnica como “o vôo do avião”. Esta técnica freqüentemente desloca o ombro da vítima.

“Osman certamente não havia feito nada para merecer este tratamento”, acrescentou a fonte.

Osman foi liberado sob fiança em 18 de novembro de 2004, e a fiança foi cancelada em outubro de 2006. Em 26 de julho de 2007, no entanto, ele foi colocado novamente sob prisão domiciliar supervisionada e finalmente preso pela polícia em 19 de novembro sob acusação de “revelar segredos de Estado”.

Quando a polícia emitiu o mandato de prisão para sua esposa, Osman estava viajando pela região leste da China. Seus amigos ficaram impressionados quando ele retornou para enfrentar as autoridades em Xinjiang sabendo que sua prisão era iminente.

Os oficiais inicialmente pediram uma sentença criminal de 10 a 15 anos para Osman, mas depois que o caso chegou à imprensa internacional a sentença foi reduzida para dois anos de “reeducação”.

Relatórios indicam que as autoridades inicialmente mantiveram Osman em um centro de detenção perto de Hotan, porém o haviam transferido para uma fazenda de trabalho fora de Kashgar.

Apesar da visita ser oficialmente permitida duas vezes por mês, membros da família, incluindo sua esposa, não tinham visto Osman desde a declaração de sua sentença.

Campanha coordenada

Fontes disseram que a verdadeira razão para a prisão de Osman não tinha nada a ver com a exposição de segredos de Estado, mas com o fato dele ser um cristão declarado e um líder da igreja uigur.

As prisões de Alimjan e Osman não foram por acaso, mas parte de uma campanha coordenada contra cristãos uigures, disse uma fonte.

“Isto parece ser um esforço concentrado para acabar com a liderança da igreja uigur”, ele acrescentou. “Ela é uma igreja pequena, mas está crescendo apesar da tentativa do governo local de controlá-la. Eles temem tudo aquilo que não conseguem controlar – especialmente na pesada atmosfera do noroeste muçulmano da China.

Disputas sobre a posse do território de Xinjiang e de suas riquezas minerais trouxeram ressentimentos entre os uigures – nativos de Xinjiang – e chineses han. As diferenças religiosas são também um problema, a maioria dos uigures praticam o islamismo, enquanto a maioria dos chineses são oficialmente ateus ou budistas ou seguem religiões sincretistas tradicionais. Apenas um pequeno número - aproximadamente 10 milhões de uigures são cristãos.

Controle das autoridade sobre a igreja

Uma fonte identificou Osman como uma figura importante na igreja uigur. Além disso, a prisão deste tipo de líder pode eventualmente resultar em fracasso para as tentativas do governo chinês de controlar a igreja.

“Prisões semelhantes de líderes da igreja chinesa nos últimos 50 anos têm no final das contas colaborado para o amadurecimento da liderança e o crescimento exponencial da igreja”, acrescentou a fonte.

Por anos a igreja clandestina na China viu estas detenções como um “rito de passagem” para a liderança.

“Se Osman e Alimjan sobreviverem à prisão, eu acredito que este período irá fortalecer a habilidade deles de servir ao crescente número de homens e mulheres uigures que seguem a Cristo”, concluiu a fonte.

Outros relatos publicados identificaram Alimjan Yimit e Osman Imin como Ahlimujiang Yimiti e Wusimanyaming. Isto porque os nomes uigures parecem diferentes quando escritos em chinês, explicando a discrepância.

Logo Portas Abertas

Caixa Postal 18.105
CEP 04626-970
São Paulo/SP
+55 11 2348 3330 / 2348 3331
falecom@portasabertas.org.br