Emirados Árabes Unidos

Emirados Árabes Unidos

  • Fonte de Perseguição: Opressão islâmica
  • Capital: Abu Dhabi
  • Região: Oriente Médio
  • Lider: xeque Khalita bin Zayed
  • Governo: Monarquia islâmica (emirado)
  • Religião: Islamismo
  • Idioma: Árabe
  • Pontuação: 58

POPULAÇÃO
MILHÕES

POPULAÇÃO CRISTÃ
MILHÃO

Olhando para o futuro, a estabilidade política pode ser esperada à medida que os governantes árabes se apoiam. As eleições nacionais não existem e os partidos políticos são proibidos, o que impede os cidadãos de mudar seu governo. As postagens do governo são principalmente preenchidas por lealdades tribais e poder econômico. Há alguns apelos para uma maior representação política, mas essas exigências não são representadas pelos governantes. Por enquanto, a maioria da população não parece estar muito envolvida na política – as eleições para a instituição legislativa FNC em 2006 e 2011 apresentaram baixa participação, especialmente nos maiores e mais ricos emirados. 

Uma distribuição igual de riqueza parece apaziguar a população no momento, embora os estados do norte, historicamente mais pobres com sua demanda por mudanças políticas, representem certo risco. Em todo o país, uma população jovem significativa combinada com um processo de globalização que afrouxa o monopólio do Estado sobre a informação e uma alta taxa de desemprego implica que os Emirados Árabes Unidos deveriam começar a pedir mais democracia. Externamente, o país está enfrentando o confronto com o Irã sobre as ilhas de Abu Musa e os Tumbs, que estão ocupados pelo Irã desde 1971.

Além disso, os Emirados Árabes Unidos juntaram-se à Arábia Saudita em seu boicote ao Catar desde junho de 2017. A crise parece ser apenas um grande teste para o Catar no momento, mas as tensões em curso também podem afetar o Emirado no longo prazo porque a alta dependência do comércio exige um ambiente aberto e não hostil.

Tal como acontece com outros países do Golfo como Kuwait e Bahrein, os Emirados Árabes Unidos são relativamente abertos e tolerantes com outras religiões além do islã. Provavelmente abriga o maior número de igrejas (registradas) em toda a Península Arábica, e muitas vezes são construídas em terras doadas pelo governo. 

Esta relativa liberdade religiosa é desfrutada principalmente pelos estrangeiros ocidentais e, em menor medida, pelos asiáticos e africanos, o que também é verdade para outros direitos humanos. Obviamente, essa liberdade religiosa não implica na evangelização dos muçulmanos. Os muçulmanos que se convertem ao cristianismo geralmente vivem como cristãos secretos em suas famílias e na sociedade por causa do enorme tabu de deixar o islamismo.

NOTAS SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL

• De acordo com o Relatório Internacional de Liberdade Religiosa do Departamento de Estado dos EUA, em janeiro de 2016, autoridades locais detiveram e deportaram três não cidadãos acusados de proselitismo, afirmando que estavam indo de porta em porta e "pregando uma religião diferente do islamismo", no emirado de Sharjah. Embora o relatório não nomeie a religião dos três acusados, indica como o governo impõe as leis que proíbem a conversão dos muçulmanos. Isso serve como uma ilustração de como é difícil compartilhar o evangelho com os muçulmanos nos Emirados Árabes Unidos.

• De acordo com o Relatório Internacional de Liberdade Religiosa, os dois principais provedores de serviços de Internet do país, ambos de propriedade do governo, continuaram a bloquear certos sites que criticam o islamismo ou apoiam as opiniões religiosas que o governo considera extremistas, inclusive muçulmanos. Os prestadores de serviços continuaram a bloquear outros sites com temas relacionados à religião, incluindo alguns com informações sobre judaísmo, cristianismo, ateísmo e testemunhos de ex-muçulmanos que se converteram ao cristianismo. Desta forma, o governo censura ativamente à Internet, o que obriga os cristãos a ter cuidado com a expressão on-line de suas crenças.

• Há poucas igrejas nos Emirados Árabes Unidos para atender às demandas. Embora as famílias governantes árabes tenham doado terras para construir igrejas, continua sendo difícil estabelecer novas igrejas. As organizações religiosas não são obrigadas a se registrar perante o governo, mas há uma falta de designação jurídica clara, o que resulta em um status legal ambíguo para muitos grupos e criou dificuldades para desempenhar certas funções administrativas, incluindo bancos ou contratos de arrendamento.

Os Emirados Árabes Unidos consistem em sete emirados que têm seus próprios governantes e que foram unidos em um estado federal no início da década de 1970. A única tentativa bem-sucedida do mundo árabe de formar uma federação é considerada regionalmente como um modelo de sucesso e serviu de modelo para o estabelecimento do Conselho de Cooperação do Golfo. 

No entanto, existem algumas diferenças claras entre os vários emirados. Especialmente Abu Dhabi (o maior emirado) e Dubai são os emirados mais ricos e têm mais influência – o presidente Khalifa bin Zayid Al-Nuhayyan, dos Emirados Árabes Unidos, é o governante de Abu Dhabi. Os estados do Norte são mais pobres, por exemplo, Sharjah, que também é mais conservador. Todos os emirados têm um assento no "Conselho Supremo Federal" – a mais alta autoridade constitucional, executiva e legislativa.

Os Emirados Árabes Unidos não são uma democracia e os governantes exercem pressão sobre a sociedade, não permitindo a dissidência. Todas as decisões políticas dependem dos governantes dinásticos dos sete emirados e não há lugar para a vontade das pessoas em geral. A liberdade de religião, imprensa, reunião, associação e expressão estão severamente restritas no reino. Não há espaço ou reconhecimento de partidos políticos, de acordo com Freedom House, que classificou o país como "não livre" em seu relatório de 2017. No relatório da Lista Mundial da Classificação 2018, o Repórter Sem Fronteiras também listou muitos casos em que a liberdade de imprensa e a expressão foram restringidas e os críticos enfrentaram acusações. A disposição constitucional relativa à liberdade religiosa tem cláusulas fraudulentas. Por um lado, prevê a liberdade religiosa, por outro lado, afirma que a prática da liberdade de religião não deve violar costumes, políticas públicas ou moral pública estabelecidos. A blasfêmia é proibida. Apostasia é punível com a morte.

Ao contrário do outro lado do país do Golfo no Bahrein, a onda de levantamentos da Primavera Árabe em 2011 dificilmente parece ter afetado os Emirados Árabes Unidos. Isto é notável, especialmente porque a sociedade dos Emirados baseia-se mais na lealdade tribal do que nas normas democráticas. No entanto, a população parece confiar no governo e sua generosa distribuição de riqueza do petróleo, obviamente, desempenha um papel significativo no quarto estado per capita mais rico do mundo. 

No entanto, as autoridades tomaram medidas cautelares para manter a estabilidade: as restrições da Internet foram implementadas em 2012 para evitar o uso das mídias sociais como forma de organizar protestos. Além disso, mais de 90 islâmicos foram presos no início de 2013, acusados de planejar um golpe. Desde então, não houve ameaças visíveis potenciais para a estabilidade do país.

Embora os Emirados Árabes Unidos tenham dependido predominantemente da indústria da pesca e pérola no passado, isso mudou depois que o petróleo foi encontrado nos anos 50 e primeiro exportado de Abu Dhabi no início dos anos 60. Hoje, os Emirados Árabes Unidos possuem as seis maiores reservas de petróleo do mundo e isso trouxe muitos imigrantes para o país, onde apenas 15% da população são cidadãos nacionais. Os Emirados Árabes Unidos desenvolveram e implementaram estratégias de diversificação estrutural para evitar demasiada dependência do petróleo.

Em 2017, a economia do país ocupa o 8º lugar no mundo, e primeiro no Oriente Médio e Norte da África. De acordo com a Heritage Foundation, o crescimento dinâmico dos "recentes anos" nos Emirados Árabes Unidos tem sido apoiado por esforços contínuos para fortalecer o clima de negócios, impulsionar o investimento e promover o surgimento de um setor privado mais vibrante e diversificado. O regime comercial geralmente liberal contribuiu para manter o impulso de crescimento. Os Emirados Árabes Unidos pretendem ser um centro financeiro regional e seu setor bancário é resiliente".

As descobertas arqueológicas mostram que o cristianismo era bastante difundido na região do Golfo antes do surgimento do islamismo. Nos tempos modernos, o cristianismo chegou à região do Golfo através dos missionários ocidentais no início do século 19 que construíram os hospitais missionários. Já em 1841, um sacerdote católico romano da ordem dos servitas percorreu a região. Em 1889, o vicariato da Arábia foi erguido em Aden. O Iêmen do Sul expulsou o vicariato, que se mudou para Abu Dhabi. Na década de 1970, o vicariato tinha 11 paróquias e 15 capelas, duas das quais estavam nos Emirados Árabes Unidos. Ambas as paróquias foram fundadas em 1960 e serviram para estrangeiros.

O protestantismo entrou na região em 1890 na pessoa de Samuel M. Zwemer (1867-1952) da Igreja Reformada na América; Zwemer finalmente se instalou no Bahrein. A Igreja da Inglaterra estabeleceu o trabalho uma vez que os britânicos adquiriram alguma hegemonia no Golfo. Paróquias na região emergiram apenas na década de 1960 e foram limitadas aos estrangeiros das Ilhas Britânicas. A paróquia primária anglicana, a Igreja de Santo André em Abu Dhabi, está agora anexada à Diocese de Chipre e ao Golfo, uma diocese dentro da Igreja Episcopal de Jerusalém e Oriente Médio. 

Outros ministérios religiosos protestantes/livres incluem os Irmãos Cristãos, a Missão da Aliança Evangélica (TEAM) e a Igreja Presbiteriana Reformada, Sínodo Evangélico. O pequeno trabalho da Igreja Adventista do Sétimo Dia é anexado à Seção do Golfo na Missão da União do Oriente Médio. Além disso, membros de várias igrejas ortodoxas se mudaram para os Emirados Árabes Unidos. Os cristãos de hoje nos Emirados Árabes Unidos são na sua maioria estrangeiros. É muito difícil dar uma estimativa precisa dos números devido ao caráter temporário de sua permanência.

Como muitos países da região, a sociedade nos Emirados Árabes Unidos se define principalmente por sua religião. Assim, o islamismo domina a vida pública, privada, bem como o discurso político do reino. Consequentemente, todos os cidadãos são definidos como muçulmanos. A lei do reino não reconhece a conversão do islamismo para o cristianismo, e o castigo previsto em legislação é a morte. Para evitar a pena de morte, estigma social ou outras penalidades, os cristãos ex-muçulmanos são, às vezes, obrigados a retornar ao islamismo, esconder sua fé ou viajar para outro país onde a conversão é permitida. 

Embora não haja casos relatados de imposição da pena de morte contra esses convertidos, o simples fato de que a lei existe é assustador. Além disso, o governo não permite qualquer educação formal ou informal que inclua ensino religioso diferente do islamismo. O evangelismo é proibido, mas grupos não muçulmanos podem adorar em edifícios próprios ou casas particulares.

De acordo com as estatísticas da World Christian Database, a maioria dos habitantes dos Emirados são muçulmanos. Os cristãos constituem o segundo maior grupo religioso do país.

Existe um forte contraste entre como as diferentes categorias de cristãos nos Emirados Árabes Unidos (EAU) são tratadas. A sociedade árabe é bastante tolerante com as comunidades de expatriados cristãos, e estas são relativamente livres de adoração. Em compensação, os convertidos do islamismo para o cristianismo enfrentam muita pressão. Eles são perseguidos principalmente por suas famílias e a sociedade, tornando desnecessário que o governo aja contra eles. Desta forma, o governo pode pregar ativamente e promover a tolerância religiosa, ao mesmo tempo em que promove o islamismo.

Embora as comunidades de expatriados cristãos (assim como as comunidades hindu e sikh) sejam relativamente livres para praticar a fé, elas também enfrentam restrições. Elas são livres para adorar em privado, mas devem se abster de expressões públicas de sua fé. O governo não lhes permite adorar, pregar ou orar em público. Como resultado do seu conservadorismo, a sociedade força os cristãos a exercitar o autocontrole em público. Eles têm de ter cuidado em seus contatos públicos, especialmente porque o proselitismo dos muçulmanos é estritamente proibido.

Os convertidos do islamismo enfrentam a maior perseguição já que vivenciam a pressão dos membros da família e da comunidade local para negar sua fé cristã. Essa pressão severa torna quase impossível que os novos cristãos revelem sua conversão. Esta é provavelmente a razão pela qual quase não há relatos de que os cristãos sejam mortos ou prejudicados por sua fé.

A sociedade islâmica conservadora é a maior ameaça para os cristãos nos Emirados Árabes Unidos. Os árabes conservadores esperam governança islâmica de seus governantes, sendo a lei sharia a fonte principal de legislação. O governo agirá contra qualquer cristão que faça tentativas de compartilhar o evangelho, uma vez que o proselitismo é ilegal e punível de acordo com a lei. Nenhum cristão foi perseguido por proselitismo, mas alguns foram expulsos do país nos últimos anos.

•    Ore para que os cristãos ex-muçulmanos permaneçam em Cristo e resgatem suas famílias e comunidades com seu testemunho.

•    Interceda para que as leis do país não pressionem a comunidade cristã e que eles sejam protegidos de toda perseguição religiosa.

•    Ore para que todos os cristãos, estrangeiros ou nativos, levem a palavra de Deus a todos os estados dos Emirados Árabes Unidos.

Logo Portas Abertas

Caixa Postal 18.105
CEP 04626-970
São Paulo/SP
+55 11 2348 3330 / 2348 3331
falecom@portasabertas.org.br